IML - Instituto dos Mares da Lusofonia

IML
Activação de sensor electro-óptico na Ilha Selvagem Pequena

costa seg selv peq 2red

 

No âmbito do Projecto “Costa Segura” e decorrente dos trabalhos presentemente em curso nas ilhas Selvagens NA Região Autónoma da Madeira, a Autoridade Marítima Nacional (AMN) activou no passado dia 3 de Junho, um sensor eletro-óptico (câmara) na ilha Selvagem Pequena, que permitirá monitorizar a actividade marítima junto daquela ilha, sem necessidade de presença humana.

Este sensor é comandado remotamente a partir do Posto da Polícia Marítima localizado na ilha Selvagem Grande e é operado de forma integrada com o radar existente nessa mesma ilha, permitindo, desse modo, reduzir a necessidade de presença humana na Selvagem Pequena e, consequentemente, diminuir a interferência nos seus ecossistemas sensíveis.

A instalação deste sensor resulta de uma das acções técnicas presentemente em curso nas ilhas Selvagens, desenvolvidas por uma equipa multidisciplinar de vinte e cinco militares e militarizados da AMN, apoiada pela Marinha.

Estas acções, previamente acordadas com a Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais – Instituto das Florestas e da Conservação da Natureza, têm por objectivo a consolidação do processo de capacitação do Posto do Comando-local da Polícia Marítima do Funchal nas ilhas Selvagens, visando deste modo assegurar o permanente exercício da autoridade do Estado no que concerne à vigilância, fiscalização, patrulhamento e exercício de polícia em todo o espaço marítimo circundante às ilhas Selvagens. 

(Informação disponibilizada pela Autoridade Marítima Nacional)

 

APOIANTES do IV CONGRESSO - 2016

 

 

"...desenvolverá um conjunto de iniciativas e actividades - seminários e conferências relativas ao Mar e à Lusofonia..."


O Instituto dos Mares da Lusofonia tem por missão estimular e intensificar a forma como os Países Lusófonos se posicionam individualmente e interagem entre si nas questões relacionadas com os oceanos.

Esta iniciativa visa contribuir para o alargamento e para a disseminação dos conhecimentos científicos relativos ao uso dos espaços marítimos, bem como encontrar áreas comuns de cooperação, que potenciem o desenvolvimento das economias do mar nos diversos países de expressão portuguesa, procurando, desta forma, ir também ao encontro do espírito e objectivos definidos pela Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP.