IML - Instituto dos Mares da Lusofonia

IML
Relatório "Marine sustainability in an age of changing oceans and seas"

oceansandseas

Academia das Ciências de Lisboa | 16 Novembro 2016, 09:00 – 13:15

Joint Research Centre da Comissão Europeia (DG JRC), a European Academies'Science Advisory Council (EASAC), a Academia das Ciências de Lisboa (ACL) e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) vão organizar um evento nacional para promoção do relatório 'Marine sustainability in an age of changing oceans and seas', após o lançamento oficial do relatório conjunto produzido pelo JRC e a EASAC.

 O relatório explora vários aspectos chave do desenvolvimento sustentável dos oceanos e mares e evidencia os desafios científicos subjacentes e apresenta ainda uma série de recomendaçõespara apoio ao desenvolvimento de políticas.

 O evento terá lugar em 16 de Novembro no auditório da Academia das Ciências de Lisboa, das 09h00 às 13h15, seguido de um almoço para networking

Para além do JRC, da EASAC, da ACL e da FCT estarão também presentes membros do Parlamento Europeu e actores relevantes do sistema cientifico, tecnológico e politico nacionais.

Verifique o programa do evento (versão draft) e inscreva-se!

 
NAVES promove fundo de capital de risco para economia do mar

naves logo

   Estando 71% da superfície terrestre coberta por oceanos é natural esperar que este recurso desempenhe um papel fundamental na economia mundial.

  O conceito de economia do mar abrange as actividades económicas dos sectores relacionados com o mar, desde Pesca, Aquicultura e Indústria do Pescado, Construção e Reparação Naval, Transportes Marítimos, Portos e Logística, Turismo Costeiro e Náutica a Obras de Defesa Costeira e Extração de Sal.

  Segundo o estudo da OCDE de 2016, The Ocean Economy in 2031[1], o valor acrescentado bruto (VAB) mundial das indústrias relacionadas com o mar deverá atingir 3 triliões de USD em 2030, cerca do dobro verificado em 2010. Na UE, a Comissão Europeia prevê que em 2020 o VAB da economia do mar atinja 590B€[2] e empregue 7 milhões de pessoas, crescendo respetivamente 20% e 29%face a 2012.

  E em Portugal? Com uma Zona Económica Exclusiva de 3 877 408 km², o país parece indiscutivelmente azul visto do alto. No último ano, a economia do mar já representou um VAB aproximado de 4,4B€ (2,5% do PIB, mais 20% face a 2013) e cerca de 244.000 empregos, de acordo com os dados da INE de 2015.

  Actualmente têm-se verificado nesta área crescentes oportunidades empresariais de investimento de qualidade. No entanto, existe uma clara lacuna no que se refere a mecanismos de financiamento de capital de risco. NAVES decidiu por essa razão, lançar o fundo de capital de risco “Crescimento Verde e Azul”.

 

Continuar...
 
II Grande Conferência do Jornal da Economia do Mar

logo joreconmar

  

II Grande Conferência do Jornal da Economia do Mar, "em exaltação de Portugal, do Mar e de todos os Portugueses com verdadeiro sal ainda a correr nas suas marítimas veias" a ocorrer nos dias 09 e 10 de Novembro de 2016. 

A entrada é livre mas sujeita, naturalmente, ao limite de capacidade do Auditório, pelo que a organização insta a uma inscrição o mais cedo possível, para evitar problemas de ultima hora, o que poderá ser feito aqui

Os Programas de ambos os dias desta Conferência poderão ser vistos aqui: 

Dia 9Dia 10.

 

 

 
<< Início < Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Seguinte > Final >>


APOIANTES do IV CONGRESSO - 2016

 

 

"...desenvolverá um conjunto de iniciativas e actividades - seminários e conferências relativas ao Mar e à Lusofonia..."


O Instituto dos Mares da Lusofonia tem por missão estimular e intensificar a forma como os Países Lusófonos se posicionam individualmente e interagem entre si nas questões relacionadas com os oceanos.

Esta iniciativa visa contribuir para o alargamento e para a disseminação dos conhecimentos científicos relativos ao uso dos espaços marítimos, bem como encontrar áreas comuns de cooperação, que potenciem o desenvolvimento das economias do mar nos diversos países de expressão portuguesa, procurando, desta forma, ir também ao encontro do espírito e objectivos definidos pela Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP.